quinta-feira, 14 de junho de 2012

O Antigo Egipto...

É normal que quando se fala no Egipto da Antiguidade, as primeiras coisas que nos vêm à mente são as  grandes Pirâmides, as Múmias e artefatos dos Museus, os Templos e toda a atmosfera de Aventura e entusiasmo que cerca tudo o que diz respeito ao Mundo dos Faraós, que a Literatura e o Cinema nos mostram, como sempre presentes nas Expedições Arqueológicas.
Mas não é bem assim...o que nos mostram nos Livros e no grande ecran é muito romanceado e como se tudo fosse facil e rapido de Descobrir ou fazer algo...!!!
Apesar de muito se saber do modo de vida, da estrutura Social, Economica e Política do Egipto Faraónico,muito ainda coisa há ainda por se Descobrir... Algumas das vezes a circulação dessas informações fica restrita ao meio Academico ou em poucas centenas de Pesquisadores dedicados. E por não chegar ao Publico.as vezes que seria desejado,propicionam a formulação de idéias Fantasiosas e que engrossam,também,um extenso Rol de crenças sobre a Cultura Egípcia.
No decorrer de mais de três mil anos, o Egipto passou por Períodos de grande brilho, mas também de declínio e de oscilações políticas. A História Egípcia costuma ser dividida em duas partes;

- O Período Pré-Dinástico
- O Período Dinástico

O Período Pré-Dinástico (5000 - 3200 a.C)
 

Desde 5000 a.C, o Egipto era habitado por Povos que viviam em Clãs, chamados "Nomos". Eram independentes uns dos outros, mas cooperavam entre si quando tinham problemas em comum. Essas relações evoluíram e levaram a formação dos dois Reinos independentes;

O Reino do Baixo Egipto(união dos" Nomos" do Norte)

O Reino do Alto Egipto( união dos "Nomos" do Sul)

Por volta de 3220 a.C., esses dois Reinos foram unificados por Menés, que se tornou o primeiro Faraó, governante absoluto do Egipto, o seu Deus na Terra. O Faraó usava uma coroa dupla para demonstrar que era o rei do Alto e Baixo Egipto. Menés fundou, assim, a primeira Dinastia dos Faraós, finalizando o período Pré-Dinastico.




 Período Dinástico (3200 - 1085 a.C);

Foi durante o Período Dinástico que se deu o crescimento territorial, economico e militar do Egipto. Este período tmabém é  dividido em várias partes;

O Antigo Império (3200 - 2423 a.C);

Durante o Antigo Império, os Faraós conquistaram enormes poderes no campo Religioso, Militar e Administrativo. Essa época foi  a época das Pirâmides. O primeiro a criar uma Pirâmide foi Djezer e o seu Arquitecto Imhotep, em Sakara.

Mais tarde um outro Faraó, Snefer, inspirado nessa Pirâmide construiu três Pirâmides, porque só a ultima tinha condições de abrigar a Múmia do Faraó. O filho (Kufu ou Keops), o neto (Quefrem) e o bisneto (Mikerinos) construíram as magníficas pirâmides de Gizé,tão nossas conhecidas. A família da 5ª Dinastia talvez tenha sido a família mais poderosa de toda a Historia do Egipto.

A Sociedade era dividida em funcionários que auxiliavam e cuidavam do Faraó,Nobres e o Clero,depois vinha o Povo, trabalhadores pobres, que se dedicavam à agricultura, ás construções e arcavam com pesados tributos. No Antigo Império, a Capital do Egipto foi, primeiro, a Cidade de Tinis,mudando-se depois, para Mênfis. Por volta de 2400 a.C., O Império Egípcio foi abalado por uma série de revoltas lideradas pelos Administradores de Províncias. O objectivo  era enfraquecer a autoridade do Faraó. Com a autoridade enfraquecida, o poder do Faraó declinou, a Sociedade Egípcia desorganizou-se e o Egipto viveu um período de distúrbios e de  guerra civil.

O Médio Império (2160 - 1730 a.C.);

Os  Nobres de Tebas conseguiram reunir forças para acabar com as revoltas e essa Cidade acabou tornando-se a Capital do Império Egípcio. Dela surgiram novos Faraós que governaram o Império nos séculos seguintes. Durante o Médio Império, o Egipto atingiu certa estabilidade Política, crescimento Economico e florescimento Artístico. Isso impulsionou a ampliação das fronteiras, levando á Conquista militar da Núbia. Por volta de 1750 a.C., o Egipto foi invadido pelos Hicsos (Povo Nomada vindo do Oriente Médio), que se mostraram superiores aos Egípcios Militarmente e dessa forma conseguiram dominar a região Norte do Egipto e estabelecer a capital em Ávaris. Aí permaneceram por, aproximadamente, 170 anos.

O Novo Império (1500 - 1085 a.C.);

Novamente os Nobres de Tebas reuniram forças e conseguiram expulsar os Hicsos, restabelecendo a unidade Política do Egipto. Iniciou-se, então, o Novo Império. Usando as técnicas Militares aprendidas com os Hicsos, os Faraós organizaram Exércitos permanentes, lançando-os em Guerras de Conquistas. Assim, invadiram Territórios do Oriente Médio, dominando Cidades como Jerusalém, Damasco, Assur e Babilonia. Os Povos dominados eram obrigados a pagar pesados tributos ao Faraó em forma de ouro, escravos, alimentos, artesanato etc.

 
Foi  nesta época é que existiram os Faraós mais Famosos, como a Rainha Hatchepsut, Akenaton, Ramsés "O Grande", entre outros. Hatchepsutfoi a primeira Rainha a governar o Egipto, ela construiu maravilhosos Monumentos ,mas que após a sua morte,o seu nome foi apagado. Ramsés, "O Grande" além de ter sido um grande Guerreiro foi um grande Construtor, foi ele que construiu os Templos em Abu Simbel. Akenaton foi um revolucionário, ele implantou o Monoteísmo, fazendo todos acreditarem apenas em Aton o Deus Sol. Mudou,também,a capital do Egipto de Tebas para El-Amarna. Mas  após sua morte,o seu filho, Tutankamon voltou á antiga Capital do Egipto. Tutankamon tornou-se famoso,não pelos seus feitos gloriosos ou artisticos,mas com a riqueza dos seu Tesouro e Mumia,encontrados intactos,sua Tumba não foi violada por Saqueadores como a grande maioria de outras. Ascendeu a Trono,apenas com 9 e morreu aos 18.A partir de 1167 a.C., o Império Egípcio foi agitado,novamente,por revoltas populares, entrando em Período de Decadência. A maioria da População era sobrecarregada de impostos e afundava em crescente pobreza. Enquanto isso, o Faraó ,a sua família, os Chefes Militares e os Sacerdotes exibiam,cada vez mais, luxo, riqueza e poder.

A Decadência do Egipto;

Depois do século XII a.C., o Egipto foi sucessivamente invadido por diversos Povos,que aproveitaram-se da desorganização que Reinava e em 670 a.C., os Assírios Conquistaram o Egipto, dominando-o por oito anos. Após esse tempo,de novo o Egipto começou uma fase de recuperação Economica e brilho cultural conhecida com "Renascença Saíta". Essa fase recebeu esse nome porque a recuperação Egípcia foi impulsionada pelos Soberanos da Cidade de Sais. A prosperidade, porém, durou pouco. Em 525 a.C., os Persas Conquistaram o Egipto. Quase dois séculos depois vieram os Macedônicos, Comandados por Alexandre Magno,derrotando os Persas. Depois do Suicidio de  Cleópatra , o Egipto foi dominado pelos Romanos, que governaram por 600 anos, até á conquista Árabe.


A Economia do Egipto;

A sua principal actividade Economica era a Agricultura.Os campos todos os anos eram inundados pelo Nilo, que tornava os terrenos férteis e muito produtivos.Ás vezes podiam fazer 2 colheitas dos mesmos produtos e que lhes permitia ter uma variedade enorme de produtos.Eles cultivavam trigo, cevada, linho, algodão, legumes, frutas e papiro, Uma especie de junco com a qual faziam o seu papel de boa qualidade e que exportavam para outras Nações.
Além da Agricultura,criavam bois, cabras, carneiros, patos...tinham minas de ouro, pedras preciosas, que trabalhavam em peças requintadas de grande beleza.
Produziam armas, barcos, ceramica, tijolos, vidro, cobre, bronze, etc. 

Não conheciam o dinheiro, por isso, eles compravam e vendiam através de trocas. Essa actividade atingiu o seu apogeu no Novo Império, quando se intensificaram os contactos comerciais com a ilha de Creta, Palestina, Fenícia e Síria.

A Escrita Egipcia;

Durante quase 15 séculos, a Humanidade olhou fascinada para os Hieróglifos Egípcios sem lcompreender o seu sentido. Os Sacerdotes Egípcios do século IV da nossa Era foram os últimos homens a utilizar essa escrita. Eles, manteram a Linguagem tão fechada,que fizeram com que o seu significado se perdesse. Como não compreendiam,os Europeus da Epoca, e posteriormente, pensavam que os Hieróglifos eram instrumentos Místicos de algum rito demoníaco.
Embora os Egípcios nunca tivessem formado um Alfabeto como o conhecemos, estabeleceram Símbolos para todas os sons consoantes da sua língua. O sistema mostrou-se notavelmente eficiente,ao combinar Fonogramas, formavam-se versões esquematizadas de palavras. Nem todos os Hieróglifos abandonavam a sua função de imagens de palavras para se tornarem Símbolos Fonéticos. Pelo menos 100 Hieróglifos eram usados para representar a palavra que retratavam, sendo usados também como determinativos do Significado das palavras.
Durante 3000 anos constituíram a linguagem representativa do Egipto. A última inscrição conhecida é do ano de 394 d.C., quando o Egipto,era já,uma Província Romana. 
Em 1822, um linguista Francês Jean-François Champollion(Que acompanhava os Exercitos Franceses de Napoleão) provou que os desenhos podiam formar palavras não relacionadas com a imagem. Só então os homens do Ocidente começaram a compreender que tinham diante de si uma linguagem que representava a chave para o que até então tinha sido um Misterio. Alfabeto Egípcio;
No início da história do Egipto, há mais de 6.000 anos, os Egípcios usavam figuras chamadas hieróglifos para a sua escrita. Portanto, tudo e cada idéia tinha de ter a sua própria figura representativa. Mas,gradualmente, essas figuras foram tornando-se mais simples, e algumas vezes usavam-se apenas parte de uma palavra. Mais tarde, algumas figuras foram aproveitadas como letras, pela primeira vez na História. Essas letras, contudo, eram ainda misturadas com figuras de sílabas e de palavras. É bem possível que os Fenícios, que foram os primeiros a usar somente letras para escrever, tenham se inspirado nos Egípcios. O Alfabeto Egípcio é na verdade o ancestral do nosso. Mesmo a palavra "Alfabeto" vem daí. As primeiras duas letras do Alfabeto deles são: "Aleph" e "Beth", nomes de "Boi" e "Casa", respectivamente. Mais tarde,os Gregos copiaram as suas letras dos Fenícios, mas "Aleph" tornou-se "Alfa" e "Beth" tornou-se "Beta". Unindo as duas palavras em Português,dá;"Alfabeto". 

 
Depois de algum tempo, os Gregos fizeram as suas letras tomar um formato contrário. Os Romanos copiaram deles,a maior parte do seu Alfabeto. Depois que dominaram a Região chamada "Ibéria", tornou-se comum o uso do Alfabeto Latino. Quando os Visigodos a invadiram, por sua vez, introduziram novas letras, com as quais foram escritas trechos da Bíblia.
Apenas como Curiosidade,só apartir do Século XV  é que se começou a usar os "Caracteres Italicos" o chamado "Alfabeto Redondo", adotado definitivamente  apartir do Século XVII. Sabemos que o "Latim"  é a Língua Mãe de todas as línguas atuais, até mesmo daqueles que possuem grafias diferentes  do Português, pois foi com base nela que os Estudiosos criaram outros Alfabetos próprios, como por exemplo o Alfabeto Cirílico, usado na Rússia; criado por dois Estudiosos Russos, os irmãos São Cirilo e São Metódio (dois Missionários que trabalhavam para a conversão da Rússia Antiga ao Cristianismo, e pesquisadores de várias outras línguas, como o Grego).

Surpreendente,não?

Sem comentários:

Enviar um comentário